terça-feira, 7 de novembro de 2017

No montanhoso Alentejo



- É um belo serrote... não tem nada plano... ora sobes ora desces.
Ainda os meus quadriceps se lembravam do último dia na Arrábida e já o Bruno me avançava o que eu iria encontrar no Ultra Trail Serra de Grândola. Ele tinha lá estado em 2016 e conhecia os 50 quilómetros que eu tinha pela frente.

Após uma semana com um único treino, não entrei na prova com grande moral. Sentia que o meu corpo não estava no ponto e com a entrada neste ininterrupto-carrossel-de-sobe-e-desce (D+ 2.700 e D- igual) optei por resguardar-me. Não era estratégia, era incerteza sobre o que conseguiria dar.

Verdade é que aos 35k, à saída do penúltimo abastecimento, senti-me leve pela primeira vez. Já era tarde para fazer deste UTSG um dia para lembrar, mas ao menos tinham chegado as boas sensações. Assim continuaram até regressar à meta em Grândola, mas não me livrei de só lá chegar com mais de oito horas nas pernas. Não, os alentejanos não são os únicos lentos.  

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Unforgiving 42

Em Agosto começaram e terminaram as minhas expetativas a que Lisboa corresse bem. Aí deixei para trás o plano para a maratona e abracei a ideia de dedicar o semestre à minha primeira vez em três dígitos: a Trail Abrantes 100. A partir daí e passe o pecado, o dia 15 de Outubro passou quase a ser um treino de caraterísticas especiais.

Chame-se-lhe o que se quiser, a verdade é que esta EDP Rock'n'Roll não deixava de ser a Maratona de Lisboa. E, seja como for, as maratonas sempre têm o dom da implacabilidade. 

Até aos 30k tudo seguiu muito bem. Quase estranhamente bem, até ser feita a justiça. Já fiz ultras sem treinos nem sofrimento, mas a maratona é outro filme. Um filme que naquele Domingo terminaria com uma arrastada tirada final e uns sofridos 3:47:41. Como sempre, ela não perdoa.   

domingo, 1 de outubro de 2017

Hora de sair das Linhas




Assim a modos que numa atípica época balnear, os meus dias à torreira do Sol meteram muitos quilómetros. 

Com 4 ultras em 5 meses, passei metas em Cascais, Sesimbra e Tróia, antes de no passado Sábado, 23 de Setembro, ter feito os 50 kms do Running Challenge das Linhas de Torres Vedras. Entre Mafra e Torres Vedras foram 6 horas, 42 minutos e 3 segundos de uma prova onde curiosamente a quantidade de militares ultrapassava o número de civis. 

Agora segue a parte estranha: em duas semanas há que arranjar modo de abandonar a passada miudinha e o olhar a apontar para junto dos pés. Agora é a correr, pois 15 de Outubro é já dia de maratona. Pela primeira vez sem ser escravo do cronómetro, mas sempre em Rock’n’Roll mood.  

sexta-feira, 30 de junho de 2017

UMA vezes 3

Andei dois anos com a ideia de que tinha feita a UMA 2015 quase sem treinos. E arranquei este ano tendo esse pensamento como âncora. Era a minha compensação, o meu encorajamento para fazer frente às 3 últimas semanas. Desde que correra o Ultra Trail de Sesimbra só tinha calçado os ténis para fazer 27k. Era uma miserável média de 9k por semana. 

Com este cenário por trás, ao sétimo quilómetro já se sentia o sofrimento. Não havia como não perceber que me esperava uma longa manhã-tarde. Seriam quase 6 horas e 45 de falta de pernas. E quase 6 horas e 45 por falta de respeito.

No geral, a Ultra Maratona Atlântica 2017 foi a prova provada de que não posso dispensar trabalho para chegar a um ponto que até achava já ter alcançado. Fazer três ultras médias em oito semanas não tem significado nenhum por si só. Foi o que as areias me disseram no Domingo.        

terça-feira, 13 de junho de 2017

De Sesimbra a South London


Estas são linhas escritas no rescaldo do meu treino em South London. Mesmo pelos meios urbanos encontrar uma extensa área verde para correr não é por aqui uma proeza. No entanto, até nestes dias de britânico estio, sinto o ar forte e fresco a atacar-me a garganta. E tusso, tusso. Tusso já durante dias.

Espero que daqui por semana e meia me consiga sentir tão saudável como me sentia há semana e meia, quando fiz os 60 (na verdade, 57) km do Ultra Trail de Sesimbra. Para enfrentar a minha terceira UMA (Ultra-Maratona Atlântica) nas areias que unem Melides a Tróia, terei que ter pelo menos a saúde no ponto.  

domingo, 30 de abril de 2017

How CUTE can it be?

Horst Hrubesch, Bruce Chatwin e peregrinações a Fátima. É disto que dois amigos que já o o eram em tempos de televisão a preto e branco falam enquanto fazem uma corrida. Uma corrida que por falta de tendões ou de treinos não conseguia ser corrida.

Assim foi a manhã e a tarde de hoje com os 46 quilómetros e picos do CUTE - Cascais Ultra Trail Experience.

No mais cénico de todos os trails, cute foi o dia. Oito horas e meia de amizade em tons de travel writing, futebol italiano dos Anos 80 e dores várias. Só não conseguimos ser últimos. Mas não houveram homens a chegar mais tarde.